REFLUXO GASTROESOFÁGICO: SINTOMAS E TRATAMENTO

Em primeiro lugar, a doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) trata-se de uma doença que acomete o sistema digestório, onde há a volta dos ácidos presentes no estômago por um fluxo anormal.

Como resultado, ao invés destes seguirem o fluxo normal da digestão, voltam pelo esôfago.

Tal movimento contrário é conhecido como refluxo, e quando ocorre, irrita os tecidos que recobrem o esôfago, causando sintomas como, por exemplo, tosse, dor no peito e a típica azia.

CAUSAS DA DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFÁGICO

CAUSAS DA DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFÁGICO - REFLUXO GASTROESOFÁGICO: SINTOMAS E TRATAMENTO

Quando uma pessoa ingere um alimento, este passa pela garganta e segue para o estômago por meio do esôfago. Uma vez que o alimento chega ao estômago, um anel de fibras musculares presente impede que este volte em direção ao esôfago novamente. Tal anel é conhecido como esfíncter esofágico inferior.

Caso o esfíncter não se mantenha bem fechado, tudo o que a pessoa ingeriu e até mesmo o suco gástrico presente no estômago poderá voltar para o esôfago. Este erro é conhecido como refluxo gastroesofágico.  A Doença do Refluxo Gastroesofágico (DRGE) é caracterizada pela presença do refluxo associado a outros sintomas e complicações, como por exemplo:

  • Aumento da secreção gástrica;
  • Hérnia de hiato;
  • Hipotonia do esfíncter esofagiano inferior;
  • Além disso, estômago extremamente cheio por tempo prolongado.

FATORES DE RISCO PARA A DOENÇA 

Certamente, podemos considerar alguns fatores como fatores de risco por aumentar as chances que a pessoa tem de apresentar a Doença do Refluxo Gastroesofágico:

  • Obesidade;
  • Hérnia de hiato, ou seja, onde parte do estômago impulsiona o músculo do diafragma;
  • Tabagismo;
  • Gravidez;
  • Asma, em outras palavras, condição em que as vias aéreas ficam inflamadas;
  • Diabetes;
  • Alimentação inadequada;
  • Uso de determinados medicamentos, como, por exemplo: broncodilatadores, antidepressivos, bloqueadores dos canais de cálcio, utilizados para hipertensão, entre outros.

SINTOMAS DA DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFÁGICO

Existem sintomas característicos da Doença do Refluxo Gastroesofágico, como:

  • Dor no peito;
  • Além disso, azia;
  • Tosse seca;
  • Regurgitação, em outras palavras, passar um conteúdo do estômago para a boca involuntariamente;
  • Pigarro, para esclarecer, catarro na garganta;
  • Otite, ou seja, inflamação de qualquer parte da audição;
  • Sensação de “bolo na garganta”, causando estranhamento;
  • Sinusite.

Compartilhe:

Compartilhe no Facebook
Partilhe no Twitter
Compartilhe no Pinterest

Quando uma pessoa é diagnosticada com a Doença do Refluxo Gastroesofágico (DRGE), pode apresentar sensação de que o alimento consumido esteja retido na garganta, aumentando esta sensação sempre que se deitar, inclinar o corpo para a frente ou se curvar.

Os sintomas apresentados, na maioria das vezes, podem ser aliviados com antiácidos.

DIAGNÓSTICO DE DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFÁGICO

Não é necessário realizar a endoscopia digestiva alta (EDA) em todos os pacientes com DRGE, em jovens, por exemplo, que apresentam os sintomas digestivos mas não apresentam os sinais da doença realiza-se muitas vezes o tratamento experimental, apenas com alterações na dieta e medicamentos por um período de até 8 semanas, sempre observando se há melhora na doença.

Em casos de cura, exames como a endoscopia digestiva alta são realizados para que se avalie a gravidade da doença e se pode-se descartar alterações como, por exemplo, úlceras, estenose e até câncer.

TRATAMENTO PARA A DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFÁGICO

O tratamento para a Doença do Refluxo Gastroesofágico pode ser realizado de diversas maneiras:

  • Ajudar a dieta do indivíduo;
  • Adotar novas medidas posturais;
  • Adotar a utilização de antiácidos, agentes procinéticos, relaxadores do fundo gástrico;
  • Além disso, alguns pacientes optam pela cirurgia antirrefluxo, que deve ser realizada levando em conta a idade do paciente em questão, seus sintomas, características anatômicas e funcionais do esôfago.

Esta cirurgia, feita por meio de laparoscopia, em outras palavras, consiste em envolver o esôfago com uma parte do estômago que encontra-se mais próxima, formando uma válvula antirrefluxo.

PREVENÇÃO

Realizar consultas frequentes e manter um peso sempre saudável são boas maneiras de prevenir não só a Doença do Refluxo Gastroesofágico, como também diversas outras doenças que acometem o trato digestivo.

Abandonar o fumo e reduzir ou eliminar o consumo de bebidas alcoólicas, certamente é essencial no combate contra a doença.

MEDICAMENTOS UTILIZADOS NA DOENÇA DO REFLUXO GASTROESOFÁGICO

Somente com uma consulta a um especialista é possível saber quais os medicamentos e as dosagens seguras utilizar. É importante seguir corretamente as orientações médicas para que tudo corra bem no período de tratamento da doença. Em hipótese alguma se automedique!

É importante lembrar também que não se deve interromper o tratamento medicamentoso sem orientação médica, por conterem indicações precisas e efeitos colaterais.

Os antiácidos agem como um tampão, impedindo que o ácido presente no estômago se direcione para outros lugares. O efeito colateral deste tipo de medicamento é a alteração do hábito intestinal. Geralmente, recomenta-se o uso após as refeições.

Medicamentos como a Ranitidina e Omeprazol, por exemplo retardam a produção de ácido, possuindo ação mais prolongada que os antiácidos. Seus efeitos colaterais incluem constipação intestinal, diarreia, cefaleia e gastrite, além de alteração nos eletrólitos.

Os medicamentos procinéticos são capazes de alterar a velocidade com que o alimento é levado do estômago ao intestino. Podem causar alterações neurológicas e hormonais, arritmias cardíacas. Deve-se sempre manter-se atento aos grupos de pacientes considerados susceptíveis, como idosos e crianças, ao apresentarem estes efeitos colaterais.

Dentre os medicamentos mais utilizados no tratamento de sintomas da Doença do Refluxo Gastroesofágico, podemos citar, por exemplo:

  • Digesan;
  • Domperidona, ou seja, um fármaco antidopaminérgico;
  • Bromoprida;
  • Digestil;
  • Dexilant;
  • Label;
  • Esomeprazol;
  • Pantoprazol;
  • Omeprazol;
  • Digeplus;
  • Ranitidina;
  • Além disso, motilium.

Enfim, se esse artigo foi útil para você, deixe o seu comentário e compartilhe com os seus amigos.